domingo, 14 de maio de 2017

Provocações do Tião: La borbuja de realidad del Sur Maravilla

La expresión “borbuja de realidad” es muy interesante, principalmente cuando se habla de Agroecología en el Hemisferio Sur, por la gran diferencia o distância entre el “discurso y la práctica” y lo "real" del "ideal".

La sospecha mayor es que eso se debe a las Fundaciones aglutinadas en el Council on Foreign Relations (CFR) de los EEUU o sus similares en la Unión Europea. De otra parte, en Brasil es casi proibida la crítica, igualmente en los temas que envuelvan ideologias y partidos.

No tengo miedo, pues, solo hago autocrítica para mi sanación de forma pedagógica y concreta.

Mi gente, retorno de una gira por el Noreste de Brasil, al cumplir un año del golpe (CFR, Federación de las Industrias y Mass-Média) compartido con mucho de ingenuidad-incompeténcia. ¿Bien, es posible que no sepas lo que es y hace el CFR?

Vamos empezar por la educación: ¿Porqué México adopta la carrera de Ingeniería Agroecológica, que ya tiene registro hace 25 años y nosotros la licenciatura, Bachillerato?



Observen que ellos utilizan la misma estructura y profesores de sus Universidades Autonomas junto a los cursos tradicionales haciendo una transición suave e indolor, mientras aqui nosotros creamos escuelas em locales aislados y sin condiciones de laboratórios o infraestructuras condicentes con las necesidades del curso.

¿Será para hacer de cuenta satisfaciendo el Banco Mundial - CFR, pero sin crear incomodos al Agronegócios?

Ortega y Gasset dice: “La juventud raramente tiene razón en las cosas que niega, pero siempre tiene razón en las cosas que afirma”. Por todo el país tengo oído reclamos de las condiciones del curso y desilusión de los alumnos.

Es muy raro que se consiga êxito en la Agroecología sin una grade académica con suficiente Cálculo Matemático, Estadística, Física, Biologia, Fitogeografia, Botánica, Química, Bioquímica y Fitoquímica, Fisiologia, Etnologia, Pedagogia y Filosofía.

Es necesario ser repetitivo: Agricultura es un sustantivo compuesto de agir (agri) + cultura. Eso es el médio ultrasocial fruto de la transformación del espacio naturaleza en un tiempo ultrasocial con resultado sistémico civilizatório, más allá de la cultura.


El resultado de la cupidez del capitalismo en la agricultura industrial moderna impuso el termino banquero “Sustentabilidad”, que en economia significa manutención de stock de capital y la creación del neologismo Agribusiness, urbi et orbi traducido como “agronegócios”, um termino muy contradictorio pues, como no hay agricultura en la naturaleza, ella es resultado del trabajo ultrasocial, entonces tampoco puede haber ócio en ella y es donde más se roba “más valia” a través de la esclavitud, servidumbre y salario.


Por lo que el agronegócios nacional pasa a significar la sustentabilidad sin solución de continuidad para el abasto-suministro al mundo de commodities subsidiadas por el hambriento pueblo brasileño que debe abastecerse por médio de la transformación de la industria para que las quedas internacionales de precios garanticen los negócios a través del consumo interno.

Nadie quiere darse cuenta que la acción ultrasocial es cotidianamente transferida del campesino hacia la industria de alimentos.

De outra parte, la importacion de servicios quita el valor a los productos y hace los países centrales através de uma docena de empresas monopolizar el comercio internacional de alimentos de calidad, con Alemania sendo la mayor productora de orgánicos-agroecológicos, sin embargo tenga solamente 3% de su Producto interno Bruto generado en la agricultura, pesca y forestería, además de allá la palabra agroecologia ser extraña internamente en su academia, política y economia pero importante e comercio exterior.

En Brasil, vimos el artículo Wiley Agrarian Change de 3 de Enero de 2017 (Agribusiness, peasants, lefts-wings goverment on the State in Latin America: An review and theoritical relfections, de L. Vergara-Camus y Cristóbal Kay).

Pueblo, es imperioso leer este artículo y discutir sobre él en todos los ambientes agroecologicos, pues induce desviaciones ideológicas.

Por ejemplo, cual es el país latinoamericano que estuvo en el “poder”, ellos administrarón el gobierno, cumpliendo los intereses de la elite atendiendo los intereses del CFR, Federación de los Bancos, Multinacionales, Industrias y Terratenientes, muy lejos de ser un “poder de izquierda”. Podría terminar aqui, pero vuelvo a la educación y mi roteiro por el Noreste de Brasil.

En los últimos 30 años (desde Itamar Franco) no hay inversiones, ni construcción en educación, salud, seguridad, agricultura y alimentos. Y el artículo citado es contundente: “El patente paradoja de la mobilización (popular) con propuestas a la retórica de las acciones virtuales con mucha propaganda y publicidad inconsecuentes”.

Algunas ONGs que hacian trabajo con migajas de la indulgencia del pueblo comunitário europeo pasarón a tener dezenas de millones de dólares para ejecutar lo arriba expuesto como si fueran políticas públicas.

En el Sur maravilla, una OSCIP de um prócer del gobierno recebió 2,5 millones de reales, mientra s los encargados de un departamento de economia solidaria de una incubadora universitaria disponia de 150 mil. Al mismo tiempo que un diputado conquistó para su grupo de apoyo 500 mil reales... Eso se repetió en todas las latitudes y longitudes nacionales y ultramar.

Tuve la oportunidad de visitar uma ONG y ella pasó a tener la extructura de un organo federal, con más de 80 monitores de computador, automobiles, mientras la municipalidad local quedaba avergonzada y con atraso en el repase de sus recursos.

Ahora los veo rebajados, llorando que dos tercios de su personal fue despedido por los cortes en la dotaciones. No hay humildad, ni autocrítica en decir: por el gobierno desviamos propuestas y propósitos sociales e ideológicos inherentes al pueblo, bien aprovechado por los golpistas del CFR, Industrias y Agronegócios. Hicimos um deservicio al Biopoder Campesino.

Mi triste conclusión es que la agroecologia es um espejo virtual de la realidad del interes de la industria de alimentos, que ya está escondida por detrás del espejo aguardando el orden para reflectir su imagen sostenible vacía de poder tan arrogante y prepotente cuanto la agricultura moderna de la dictadura, pero con el humano aún peor formado.

Sin embargo las decepciones y desiluciones, ni todo está perdido. Hay que denunciar el preparo para los técnicos nacionales e internacionales de las grandes empresas, actuando en agroecología para Nestlé, Coca Cola, Cargill, Pepsi Cola y otras con desenvoltura en “upgrade” del agronegócios ecológico.

Lo que me deja atônito no es la falta de laboratórios y prácticas verdaderamente agroecológica en el Hemisferio Sur, sino que su extensión-agroecológica este sendo gestada em facultades de educación, en um país que nunca, jamás, en tiempo algún aplico políticas públicas de Paulo Freire con poder (y biopoder campesino), pero solamente con gobiernos caricatos y desposeidos.

¿Será que estamos preparando el ambiente publicitário para que la extensión asuma la función ultrasocial campesina? Donde la biotecnologia escoltada por los neo-agronomos utilicen la interface de los insumos agroecológicos de la industria de alimentos?

Me quede avergonzado, no con esa realidad, pero con la ausência de un nacional en la bibliografia del diversionista articulo referido, que impide o induce el lector de ver la burbuja de realidad virtual de la agroecología. Callar seria ser complice o comparsa.

No tengan miedo, en los años 80 recibimos en el Sur maravilla três especialistas alemanes en agricultura orgânica. Lo raro es que ellos tenián cinco años de estúdios en la Escuela de la multinacional de agrotóxicos Hoechst y un curso de 3 meses para poder hacer agricultura orgánica.

Con lo que vieron, uno retornó en una semana con fuerte chock cultural. La otra, de la misma forma, retorno en três meses. El último se quedo muy molesto con la campañas contra los agrotóxicos de su Alma Mater y de la “borbuja virtual” del CFR ...

quarta-feira, 10 de maio de 2017

ELIKA TAKIMOTO: SOBRE LIBERDADE DE EXPRESSÃO, RACISMO E JUSTIÇAMENTO

Independente de minha concordância ou não com os argumentos aqui expostos [vide todo o processo que gerou as controvérsias dessa questão, e o seu desfecho até aqui] esse é um material precioso para um debate sobre relações étnico-raciais no Brasil em tempos de redes virtuais e de novas visibilidades e sobre jornalismo, ou seja, sobre seres humanos.

O último vídeo, em que a autora procura se explicar, pode ser conferido aqui.

O primeiro texto da autora Contando sobre as Cotas, e o segundo, Até um dia, Facebook.

*********************************************

Ainda sobre a aparente crise na intelectualidade brasileira, vale a pena ler também outro texto atual, do jornalista Raphael Tsavkko Garcia: Neo-Lombrosianos: Como Justiceiros Sociais prejudicam a esquerda e suas próprias pautas. "Os guardiões supremos da correção e da ética na internet estão conseguindo aquilo que a direita não conseguia: silenciar as vozes liberais e de esquerda". (e.f)

**************************
Acho que vale a pena também uma olhada no texto Linchando Elika, do professor Wilson Gomes, que este publicou em seu perfil.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Muito Além da Geografia

Retornei há pouco da Sala Redenção, onde assisti, com uma amiga, o documentário Milton Santos - por uma outra globalização, do cineasta Sílvio Tendler, dentro da mostra realizada na UFRGS sobre a obra daquele diretor. Milton foi um geógrafo singular, muito além dos mais de 40 livros e vários títulos Honoris Causas que recebeu pelo mundo. Foi um pensador que problematizou a Geografia em bases humanas, relacionando o espaço, tempo e sociedade, naquilo que tem a ver com as disparidades econômicas que o nosso mundo carrega há séculos, e sobre o qual os países subdesenvolvidos pagam, historicamente, a uma dívida pesada. Tendler, no seu estilo de contar com múltiplas vozes anônimas, enriquece esse trabalho a partir da metalinguagem, já que, nele, entram em cena também outros documentaristas. Dos vários cantos do País, desde uma aldeia indígena a uma favela, as falas de Milton Santos são intercaladas com depoimentos sobre fatos seminais nas transformações políticas dos países da América Latina e da África, entre as três grandes globalizações, desde o (re) descobrimento (ou invasão) deste lado do Atlântico. A complexidade da modernidade selvagem que estamos inseridos nesta quase segunda década do século XXI é melhor compreendida com a linguagem simples, ácida e sintética desse geógrafo notável. Tendler, por sua vez, foi feliz na articulação e na dosagem das fontes para apresentar esse autor no nível e no contexto que ele merece.



domingo, 23 de abril de 2017

Jeferson Miola: Brasil está sob a ditadura Globo-Lava Jato, a serviço de interesses estrangeiros

22 de abril de 2017 às 17h54


Jeferson Miola, no Facebook
Reproduzido de Viomundo

É difícil aceitar a dolorosa realidade, mas o Brasil está, efetivamente, sob um regime ditatorial.

O golpe de 2016 e o regime de exceção evoluíram para a ditadura jurídico-midiática da Rede Globo com a Lava Jato e setores da PF, judiciário e STF.

Assim como na ditadura instalada com o golpe de 1964, a engrenagem desta ditadura também contou com a participação decisiva da Rede Globo.

O editorial do jornal O Globo deste 22 de abril, por ironia o dia que marca 517 anos da descoberta do Brasil pelos dominadores portugueses, revela a simbiose estratégica entre a Globo e a força-tarefa da Lava Jato.

Ambos, a serviço de interesses estrangeiros, adotam idêntica linguagem, empregam os mesmos métodos, e partilham do mesmo ódio fascista aos seus inimigos.

No editorial “Cerco de depoimentos confirma Lula como o chefe”, o Globo conclui existir “estridente evidência de que Lula não poderia desconhecer aquilo tudo”.

No dicionário do regime de exceção, “estridente evidência” é sinônimo de “não temos provas, mas temos muita convicção”.

A imputação da Globo – “Lula como o chefe” – é variante daquela acusação leviana, apresentada no power-point do fanático procurador Deltan Dallagnol: “Lula é o comandante máximo do esquema de corrupção”.

Num tom inquisitorial, medieval, O Globo sentencia: “O desnudamento de Lula em carne e osso, em praça pública, com os pecados da baixa política brasileira, parece apenas começar”.

Por outra ironia da história, esta frase dantesca foi escrita no dia seguinte ao feriado nacional de 21 de abril, data em que se homenageia o revolucionário Tiradentes, Joaquim José da Silva Xavier, líder da Inconfidência Mineira na luta de libertação do Brasil da Coroa Portuguesa que em 21/4/1792 foi enforcado, esquartejado e as partes do seu corpo expostas “em carne e osso, em praça pública” — como preconiza a Globo — para desencorajar os revoltosos pela liberdade e pela independência.

O sistema político foi estrategicamente destroçado.

Os sem-voto hoje deliberam sobre a política e os destinos do país, num contexto de flagrante ilegitimidade e desordem institucional.

O Brasil não se movimenta para nenhum lado antes de assistir, todas as noites, as edições maniqueístas do Jornal Nacional – verdadeiras ogivas nucleares lançadas para dizimar a imagem do maior líder popular do país.

O que seria inconcebível numa democracia saudável é naturalizado no regime de exceção — como, por exemplo, o vídeo dos obscurantistas procuradores Dalagnoll e Carlos Fernando insuflando a população contra o Congresso para impedir a aprovação do projeto de lei que pune o abuso de autoridade deles próprios, posto que se consideram soberanos, acima das Leis e da Constituição.

O Congresso, dominado por uma maioria de parlamentares corruptos e ilegítimos que perpetrou o golpe de Estado com o impeachment fraudulento da Presidente Dilma, promove a destruição dos direitos econômicos e sociais e entrega a soberania nacional esperando, em troca, ser retribuído pela ditadura jurídico-midiática.

Os empreiteiros já condenados na Lava Jato agora mudam o conteúdo dos depoimentos prestados no início da Operação e passam a fabricar mentiras [como a invenção de que Lula teria mandado destruir provas] para que o justiceiro Sérgio Moro consiga inventar, na audiência judicial de 3 de maio, um crime que caiba no Lula.

A prisão dos empreiteiros é usada como barganha e moeda de troca para fazer com que estes mesmos grupos capitalistas que corrompem o sistema político há décadas, ajudem a ditadura Globo-Lava Jato na missão doentia de liquidar Lula e o PT.

Em novembro de 2016, o presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, mentiu e prestou falso testemunho no TSE com o objetivo de dar causa à cassação do registro do PT pelo tribunal presidido pelo tucano Gilmar Mendes, no que foi desmascarado pelas provas apresentadas pela defesa da Dilma.

Apesar do dolo comprovado, o safado empresário ficou impune, não foi punido.

A mudança das delações da Odebrecht e da OAS, forçada para incriminar o ex-presidente Lula, é um atentado ao Estado de Direito e à democracia.

Esta prática corrente, de arbítrio da Lava Jato, só é possível porque a Operação foi concebida como um organismo monolítico dos militantes tucanos incrustrados na PF, no MP e no judiciário — todos eles [delegados da PF, procuradores e juízes], sem exceção, com manifestações odiosas nas redes sociais — anti-PT, anti-Lula e pró-PSDB.

Não existe na força-tarefa um único funcionário público com perspectiva jurídica dissonante, o que asseguraria equilíbrio, isenção e imparcialidade da Lava Jato.

O controle ideológico da Operação por aqueles agentes partidarizados é absoluto; e, por isso, a Lava Jato se converteu neste campo livre e desimpedido para o arbítrio que se conhece.

A Lava Jato se afastou definitivamente do escopo investigativo e criminal e adentrou no território perigoso do nazi-fascismo; naquilo que Hannah Arendt conceituou como “a banalidade do mal” — um ambiente institucional propício às escolhas autoritárias, ditatoriais, fascistas.

A situação do Brasil no pós-golpe se encaminha para um regime ditatorial de novo tipo, diferente dos regimes ditatoriais do passado. A ditadura de hoje não é civil-militar; porque é jurídico-midiática.

O padrão da resistência democrática, por isso, tem de mudar, não pode seguir o mesmo curso.

A Lava Jato espezinhou totalmente o sistema político [a sobrevivência do Temer e da cleptocracia golpista se deve a isso]; a Operação vergou a resistência do grande capital, que é uma espécie de Estado paralelo dentro do Estado de Direito, fazendo com que os grandes capitalistas se insurjam [contraditoriamente] contra Lula, o governante que mais expandiu o capitalismo brasileiro.

Agora, com a ditadura jurídico-midiática, a Globo e a Lava Jato assumem a dominância absoluta do projeto transnacional de dominação anti-popular e anti-nacional.

A luta em defesa da Constituição e pela restauração do Estado de Direito no Brasil tem de subir de patamar — a desobediência civil é um direito humano inalienável; um direito legítimo e uma forma de luta eficiente contra as ameaças totalitárias e contra as formas de dominação baseadas na tirania e na opressão

sábado, 15 de abril de 2017

Provocações do Tião - A Máfia dos agrotóxicos no Brasil 4.0 (RELOADED)

Sebastião Pinheiro*

Quando um tema é analisado ao longo de várias gerações fica difícil entender sua dinâmica em função do tempo e da sistemática de propaganda e políticas públicas empresariais dos governos. Para se entender estas relações de poder tratadas de forma corrupta ou mafiosa são necessárias comparações evolutivas.

Este é o caso dos agrotóxicos. Fica muito difícil entendê-los quando há dependência da periferia ao centro. Didaticamente vamos usar como parâmetro de comparação a evolução da voz através do tempo.

Dos caracteres cuneiformes sumérios aos hieróglifos egípcios e códigos maias temos uma evolução fantástica, que ao chegar aos diferentes ideogramas ou letras dos alfabetos e escrita moderna nos deixam perplexos quando agregado à imagem. O salto parece alcançar o infinito na linguagem binária da informática, tudo através de um interprete que transmite a informação, mesmo quando se pode gravar a voz, pois há um contexto que difere em seu raciocínio através dos tempos. Essa evolução é similar na questão dos agrotóxicos.

Desde os agrotóxicos mais primitivos, como os minérios usados para controlar pragas ou o uso do sal para impedir o cultivo e provocar fome e miséria vemos que a evolução no saber dos mesmos é acompanhada com interesses pelo poder. O desenvolvimento da Toxicologia (toxicon (as flechas envenenadas de Hércules para matar a Hidra) + logos) é tão importante para o poder quanto o exército. Na Sociedade Industrial compreender essa importância em usar o veneno como arma militar e simultaneamente incorporá-lo na economia e finanças como segmento de alta rentabilidade na sociedade civil tanto na saúde quanto na agricultura subsidiando a necessidade militar cria perfídia.

A preocupação do poder será amenizar que os riscos e perigos à saúde dos produtores rurais em sua manipulação seja primeiro e tão somente tratado como intoxicação aguda; Posteriormente a constatação obrigará o poder a preocupar-se com a questão da intoxicação crônica com sua dinâmica diferenciada; O ato seguido no tempo e espaço é como essa intoxicação crônica pode chegar a plano totalmente diferente ao consumidor dos resíduos dos agrotóxicos nos alimentos; Há 70 anos nos países de ciência central a preocupação passou a ser com a insidia sobre a saúde dos cidadãos e contaminação do meio ambiente (Estocolmo, 1972); O desenvolvimento da indústrias de armas químicas e agrotóxicos em paralelo é controlar os diferentes tipos de desenvolvimento tecnológico para evitar prejuízos econômicos daí a criação além dos estados centrais de mecanismos, órgãos multilaterais para evitar que os países periféricos tomem atitudes prejudiciais à economia central ou possam tentar competir no rentável e perigoso setor civil ou militar.

É nesse contexto, que FMI, FAO, OMS, UNIDO, UNEP IRPTC e muitos outros que foram e serão diplomaticamente criados para cumprir os interesses hegemônicos dessas indústrias através de seus governos na reconstrução pós-segunda guerra mundial, que a cada dia evolui para uma nova necessidade.

Na evolução do registro da voz, também se impõe diferentes tipos de capacitação, alfabetização que levará ao padrão de caligrafia. Nos últimos 500 anos os escribas serão pessoas importantes nas cortes e burocracia e a evolução das máquinas de escrever transformarão a caligrafia em recurso erudito e culto e não mais em importante meio na impressão de livros e documentos. A realidade hoje é que, a porcentagem de escrita eletrônica é a cada dia mais expressiva ao mesmo tempo em que a escrita física sobre papel tende a desaparecer.

Na questão dos agrotóxicos há a mesma pressão evolutiva. O manejo deles na periferia é de exaltação ignorante no ensino, na gestão governamental, executiva, legislativa e judiciária pelo poder central das indústrias e seus interesses locais.

Um retrocesso marcante na questão dos agrotóxicos passou despercebido, ocorreu antes do soçobrar da União Soviética (1989), quando já desde 1986 o mundo se preparava para o Unilateralismo de Reagan, Thatcher e J. Paulo II no início da Rodada Punta del Este (Uruguai). Entre nós vimos a assinatura do acordo “4+1” onde os países do Cone Sul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) receberam a autorização dos EUA para formar um bloco econômico preparatório do ALCA, quando no norte já haviam criado o Tratado de Livre Comércio da América do Norte, conhecido pela sigla TLC, ou melhor, conhecido no Brasil como NAFTA.



No inicio da Rodada Uruguai era comum vermos no Brasil, que desde 1978 procurava controlar os perigos, desmandos e absurdos na comercialização e uso dos venenos agrícolas, corruptamente denominados de “defensivos agrícolas”.

Um exemplo trágico, os fungicidas mercuriais, responsáveis por escândalos mundiais e danos a gerações futuras já haviam sido banidos do país em abril de 1980 retornavam para o Livre Comércio e Uso Sem Controle, embora no Diário Oficial Brasileiro consta-se que nos alimentos destinados aos EUA eles continuavam peremptoriamente proibidos. Tudo que havíamos conseguido à duras penas para controlar os abusos dos agrotóxicos era derrubado na nova ordem internacional preparatória à OMC.

As trevas anteriores ao inicio da Polícia Sanitária Pública Alemã (1850) passaram a imperam com a nossa ordem da OMC em seus países membros em nome do capital.

Em 1919 ao descobrir os danos e riscos dos inseticidas arsenicais amplamente utilizados nas parreiras houve a intenção da policia sanitária em proibir o seu uso, mas as relações de poder impôs aos sanitaristas a obrigação de relativizar sua ação através de um novo conceito ou “unidade toxicológica”, o LÍMITE DE TOLERÂNCIA, valor dependente de outro neologismo que é o PERÍODO DE CARENCIA, quando sequer se conseguia pesar uma fraca de miligrama. Ambos vão receber 70 anos depois outro neologismo que é UMA BOA PRÁTICA AGRÍCOLA NO USO DO AGROTÓXICOS, quando é fácil detectar Picogramas.(1x10-12).


Em 1973 adequando-se à ordem emanada da Conferencia de Estocolmo em 1972 os EUA criam a Agencia de Meio Ambiente norte-americano (EPA) separado do órgão de regulação e controle dos remédios (FDA). Ambos os órgãos funcionaram como farol guia no mar tenebroso dos agrotóxicos para todos os países até o início do governo Reagan (1980) e ficou meneado a partir da Rodada Punta del Este e passou a ser uma figura decorativa com a OMC.

Mas essa não é uma realidade exclusiva dos EUA, mas de todo o mundo. Na URSS era peremptoriamente proibido o uso de fungicidas Ditiocarbamatos pela formação de Etileno Tio Uréia, mas após a formação da Rússia, todos os venenos banidos foram liberados cumprindo as determinações da OMC, Bancos e Indústrias Químicas, quando já se conhecia a conjugação e sinergismo tóxico da “ETU-Nitrosaminas” com diversos agrotóxicos, com o ato de fumar e pior a sua transformação em Urethanas e Acrylamidas milhões de vezes mais tóxicas.

Todas as unidades toxicológicas e ecotoxicológicas aplicadas pela EPA e União Europeia passaram a ser obsoletas e os valores determinantes retornaram aos Limites Máximo de Resíduos do Códex Alimentarius, cuja função era impedir após o final da Segunda Guerra Mundial qualquer pretexto baseado em níveis de resíduos presentes nas “commodities” e alimentos para protecionismo.

Um exemplo aclara: Na Alemanha, o índice permitido de nitrato na água potável era de 90 mg/L, na Suíça 50 mg/L e o Códex determinava 250 mg/L a ser adotado pelos países sem norma. Estes valores altos em relação aos padrões internos dos países centrais com a nova Ordem passavam a ser o padrão mundial para a saúde dos cidadãos e as unidades toxicológicas agora são medidas neles em Femtogramas (1 x 10-15).

Após o incêndio na Basiléia da Fábrica Sandoz (1, Nov 1986) que destrói em dias os bilhões de dólares gastos em décadas de saneamento do Rio Reno na União Europeia é acelerada a transferência das fábricas para a periferia do mundo, embora o desastre em Bhopal em 2 e 3 de Dezembro tenha ocorrido dois anos antes. E na época a gente da GIFAP tenha denunciado que o mesmo tenha ocorrido pela por incompetência profissional local (literalmente sendo usadas referencias racistas) escondendo o grau obsoleto das fábricas desmontadas na Europa e remontadas na periferia (Índia, China, Indonésia, Brasil, Argentina, México etc.).

No Brasil o desastre com o Pentacloro Fenato de Sódio com alto índice de Dioxinas comprado à China pela CAPEMI para substituir o inseticida Lindane, da Rhône Poulenc usado no tratamento da madeira retirada da área do lago de Tucuruí provocou 7 mortes imediatas no seu descarregamento em 1983 no Mercado São Sebastião, pelo que recebeu o nome jocoso de “Pó da China”, para diferenciar do similar do Alto Peru e Colômbia. As dezenas intoxicadas e mortas posteriormente tanto no Rio de Janeiro como no interior do Pará não interessaram ao governo brasileiro denunciado nas Nações Unidas em Nairóbi e seus riscos medidos em frações de Attogramas (1x10-18).

Embora se tenham feito legislações estadual e nacional para o controle dos agrotóxicos com a participação dos Ministérios da Saúde, Agricultura e Meio Ambiente em 1989. A ordem mundial ao governo Collor era bloquear a aplicação da lei através de desregulamentação, o que não foi conseguido, mas todos os governos posteriores até nossos dias ignoraram a aplicação da lei, os dois anteriores com desfaçatez mantendo retórica de comoção em “faz de conta” com o cartório de agrotóxicos a pleno vapor.

Em 2000 a USP publicou um documento sobre a Ingestão Diária Aceitável de Referência com valores milhares de vezes superiores aos limites legal nacional vigente na ordem anterior.

No Brasil atual a Ordem mundial de Livre Comércio e diminuição do Estado se integram à corrupção oligárquica e vemos que todos os índices e valores de toxicidade crônica à saúde, meio ambiente dos agrotóxicos puros, seus degradabólitos e combinações com outras substancias realmente potencializadoras e sinergizadoras são deixadas de lados pelo interesse corrupto de mercenários nos órgãos públicos, privados, universidades e institutos especializados que alteram normas critérios e parâmetros no interesse mercantil da GIFAP, núcleo da indústria mundial de agrotóxicos, quando Disruptores Endócrinos fazem parte dessas combinações.

No ano 1998 estive na Basiléia na sede da UNIÃO INTERNACIONAL DOS TRABALHADORES NA ALIMENTAÇÃO E AGRICULTURA e pude conhecer seu técnico britânico que posteriormente foi contratado para trabalhar no cartório IRPTC (IPCS) da OMS com interesse em determinar essas normas a serem cumpridas em todo o mundo.

Em um momento em que o país em comoção depara a escatologia de seus políticos chafurdando excrementos vemos a denuncia do amigo ex-diretor do Ministério da Saúde alertando para a ação da ANVISA ao adotar a DOSE DE REFERENCIA AGUDA criada pelo IRPTCS (IPCS) quando a toxicologia domina valores em Yoctogramas (1x 10-24) e a tóxico-dinâmica está ocupada com o resultado da conjugação de nicotina x cafeína x álcool x agrotóxicos internacionalmente.

Quando começaram a ser feitos os análises de algumas dezenas de amostras em nível de mercados (Centrais de Abastecimento) alertamos que na Europa isso só tem validade para avaliação estatística e não política pública sanitária, pois os resultados das análises de menos de 50 venenos não leva em consideração seus degradabólitos por não existir padrões laboratoriais no país e os resultados somente saem dois ou três dias depois que os mesmos foram consumidos.

Os técnicos nas CEASAS fingem que é importante esses resultados, pois eles mantém o status quo, e não altera o mercado e consumo de venenos. Enquanto a produção orgânica (agroecológica) passou a ser nicho de mercado de gigantescas empresas da indústria de alimentos na qual as de agrotóxicos e insumos são pequenas subsidiárias. Mas, a luta segue e segue até a vitória sempre.

O escândalo do Nemagon nos países da América Central é de genocídio causado pelas empresas norte-americanas e europeias. O escândalo do Mirex (Dodecachlor) na Ilha de Guadalupe, idem provocado por uma empresa brasileira que envenenou o ambiente e população insular caribenha.

O processo de capacitação e formação dos agricultores como os adotados pela Diretiva Comunitária da União Europeia 91/414 ou as ações de extensão das universidades norte-americanas não podem ser aplicadas pelo interesse local da representante da GIFAP e muitos funcionários públicos e professores de universidades são contratados como consultores para fazer com que os interesses desse segmento se transformem em norma consuetudinária.

Aos “toxicólogos de aluguel” albergados em universidades fica a questão: Em que unidades se medem a combinação de PFAS (PFCs)-Diethyl Phthalat-methyl-Phosfonil Glycine? A enzima Phosphoribosylformylglycinamidine synthase altera a microbiota no solo pelo uso de 200 milhões de litros de Roundup que contaminam a água potável e leva a uma epidemia de Disbiose nos EUA com mais de 50 mil mortos, cujo tratamento é comer excrementos saudáveis “in natura”? 

Sujeitar-se aos “pecados capitais” ou do Capital obriga a chafurdar em excrementos ou lama. 

O problema maior dos agrotóxicos está em que ele era ideológico na Ordem anterior e agora passou a ser religioso pelo valor supremo e sagrado do mercado onde não há ética, nem valor moral. Não adianta a voz, a escrita e a imagem evoluírem, se o humano não é novo.
__________________________________________________

*Engenheiro agrônomo e florestal, ambientalista e escritor

sábado, 18 de março de 2017

La Carne Y otros podridos



Sebastião Pinheiro*

“Perdonen las feas pero belleza es esencial” externó el poeta Vinicius de Moraes. Estoy en luto y soy obligado a exceptuarlo para exultar con lo que se esta pasando en Brasil y espanta el mundo. Más um escándalo con la alimentación. La carne (bovina, suína y de aves) brasileña, que representa más de 7% del Producto Interno Bruto es comercializada podrida por voluntad de políticos, frigoríficos y fiscales corruptos. Después de 24 meses de investigación la Policia Federal descubrió.


Lo extraño es que durante esse tiempo nada ocurrió contrariando normas de salud y exposición del pueblo. Los diálogos presentados en la Televisión entre ministros, políticos, fiscales espantan por la canallice.


Ese es um tema que conozco hace más de treinta años. En 1983 um cargamento de carne de charqui fue aprendido por ter sido tratado con formalina (Formol al 5%) y fui consultado por um médico toxicólogo profesor universitário sobre lo que se podia hacer... Sugeriendo um “arreglo” y él buscaba mi cumplicidad. Repeli con uma respuesta sencilla. “Es caso de fuzilamento de todos los participantes e incineracion, no hay más nada a hacer”. Nunca más fui interpelado por el facínora.


Fui servidor del Ministério de la Agricultura con concurso y expulsado por ser subversivo a los intereses de las grandes empresas de fertilizantes, agrotóxicos y otros insumos. Conocí toda la enajenacion y máfias presentes en el mismo desde los bajos a los altos eslabones. Por dos veces fui denunciado al SNI por mis própios colegas. 


Ahora ustedes entenden el contexto del verso de Vinicius de Moraes “Perdonen los feos pero belleza es esencial”. Brasil es tan extraño que la leche sufre el mismo problema hace más de cuatro años con operaciones (Leche Compensada) repetidas y reiteradas sin punibilidad a los responsables que tornan a cometer los mismos crimenes y descaradamente las autoridades anuncian uma nueva etapa de la operacion.


Yo desconfio que lo que se está gestando es la desmoralización ciudadana a través de acciones de inteligéncia en conmoción psicosocial, la peor forma de violência en nuestra realidad.


Trabajando em Espiritualidad y Agricultura para entender mistérios que grupos étnicos campesinos más que respectan, cultuan religiosamente y más hasta cosmológicamente es el único vinculo ultrasocial que garantiza la calidad como um compromiso. Cuando um humilde “Sin Tierra” asentado de la reforma agraria cuestiona el “Agronegócios”, en su poca o ninguna capacidad argumentativa fuera la revolta nos deparamos com doutos profesores, políticos y otros afirmaren que todo es agronegócios.

En el agronegócios brasileño y mundial (exemplo de la leche china con melanina fue escândalo mundial con algunos fusilamentos) no tiene ética, moral, pues sigue solamente una norma: Márgenes de Lucro para mantener la “Salud Económica”. Por eso estudiar Mariátegui es muy necesario para entender la espiritualidad en la agricultura y sociedad. La lucha sigue y sigue pues son millones de Zapatas que viven. 


Por favor, decifren la foto de Roberto Capa, El primer muerto en la Guerra Civil Española. Retorno a mi luto hasta el dia 05 de Abril.

______________________

*Engenheiro agrônomo, ambientalista e escritor

domingo, 5 de fevereiro de 2017

LULA NUNCA SABE O SEU LUGAR

Por Wilson Gomes,
professor de comunicação da UFBA

Primeiro apareceram os que acusaram Lula de pecado futuro: vai usar a morte da esposa para se fazer de vítima. Acusar alguém de pecados ainda não cometidos é uma tentativa de fechar ao acusado uma alternativa, de desqualificá-la de antemão: "vai doer, mas chorar você não pode; tente, então, ficar quietinho". "Fazer-se de vítima" é uma dessas expressões curiosas da alma brasileira, vez que quem acusa o interlocutor de se fazer de vítima geralmente está fazendo o papel de verdugo. O carrasco está barbarizando, mas, por favor, tenha compostura, "não se faça de vítima".

Depois apareceram as condenações pelo "uso político do velório". Como pode um sindicalista e político enterrar a própria esposa com um coração de político e sindicalista? Tinha que ter havido discrição, silêncio. Como pode um sujeito enterrar a sua companheira de vida, cuja morte foi, no mínimo, acelerada pelo desgosto e por acusações que, segundo ele, são injustas, berrando, esperneando, acusando? Não, o certo era ficar quietinho ou, se fosse mesmo para fazer drama, que se cobrisse de cinzas, batesse no peito, em lágrimas, e gritasse "mea culpa, mea maxima culpa!".

Fosse apenas questão de ser sommelier do luto alheio, até me pareceria razoável. Afinal, o Facebook é principalmente uma comunidade de tias velhas desaprovando as saias curtas e os comportamentos assanhados dos outros. Mas, é mais que isso. Pode haver um aluvião público de insultos, augúrios de morte e dor, e difamação à sua esposa, durante duas semanas, mas Lula não pode mostrar-se ultrajado ou ofendido, não pode desabafar do jeito que pode e sabe, não pode espernear. Em vez do "j'accuse", o certo seria a aceitação bovina do garrote, da dor, da perda. Em vez do sindicalista e político, em um ambiente privado do sindicato, velando entre amigos a mãe dos seus filhos, havia de ser um moço composto e calado. Todo mundo tem direito de velar os seus mortos como pode e sabe, exceto Lula.

Uma parte da sociedade brasileira nunca se cansa de mostrar a Lula o seu lugar. E de reclamar, histérica, quando ele, impertinente, não faz o que ela quer. Tem sido assim. Lula já foi insultado de analfabeto, nordestino, cachaceiro, ignorante e aleijado, muito antes de ser chamado de corrupto e criminoso. A cada doutorado honoris causa de Lula choviam ofensas e impropérios porque ele não tinha todos os dedos, porque era uma apedeuta, porque era um peão. Qualquer motivo para odiá-lo sempre foi bom o bastante para uma parte da sociedade.

Agora, estamos autorizados a odiá-lo por mais uma razão: o modo como acompanhou a agonia e como velou sua companheira. Que os cultivados me perdoem a analogia, mas isso me lembra a acusação feita em O Estrangeiro, de Albert Camus, ao sujeito que não conseguiu chorar e sofrer, como aos demais parecia conveniente e apropriado, no funeral da própria mãe: "J'accuse cet homme d'avoir enterre sa mère avec un cœur de criminel". "Eu acuso este homem de ter enterrado a sua mãe com um coração de criminoso". No surrealismo da narrativa política brasileira, a história se repete: Lula deve ser desprezado porque enterrou a esposa com um coração de político e sindicalista e isso não está direito. Voilà. Lula nunca vai aprender o seu lugar. Tsc.